sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O fim da greve



Foram muito esclarecedoras as palavras da jornalista que faz a cobertura de greves há largos anos em todo o mundo: "nunca vi uma greve geral com tão pouca gente na rua".

Fez sentido uma greve que só prejudica o país, num contexto de percepção de risco por parte dos nossos credores? Não se percebe que os sindicatos e os partidos mais à esquerda incitam à greve não para mudar o mundo, mas para manter o seu próprio mundo? Os grevistas não sentem que o seu protesto é sorvido, aproveitado e profanado pelos sindicatos?

Sim! E por isso tão poucos aderiram e lutaram.

Esta greve só serviu para dar tempo de antena a alguns, umas férias a outros, sujar muros e para desvalorizar ainda mais o instrumento "greve", ferindo-o de morte.


Filipe Garcia

Economista da IMF, Informação de Mercados Financeiros
Publicado no jornal Metro em 26 de Novembro de 2010



5 comentários:

Jorge Serra disse...

O que a greve provou foi a personalidade do povo português. Se reclamar implica ficar em casa no sofá óptimo. Se se trata de ir para a rua protestar, isso já não é connosco, pois além de cansativo está bastante frio lá fora!

Jose Simoes disse...

As greves servem para meter medo aos sector político e financeiro, que nos rouba.

Se vamos ao fundo iremos todos, todos iram perder, mas mais uns que outros.

José Simões

Anónimo disse...

E um discurso mais primário? dará para ter? Que belo e desinteressante post

Filipe Garcia disse...

Não iria tão longe em chamar "belo" a este post. Nem sequer foi especialmente bem escrito...
Foi apenas um instantâneo da vida real de Portugal em que ficou claro para todos o que se passou e para que servia este protesto. Se calhar, ao fim e ao cabo, foi bom ter havido esta "greve" pois foi uma situação clarificadora. Entendo bem a azia dos desmascarados, mas que têm necessidade de se mascarar para comentar.

Filipe Garcia

Filipe Barbosa disse...

E' obvio que as greves fazem falta para lutar contra as injustiças que os "nossos" governantes nos querem impor, pois eu sempre disse, quem faz a porcaria que a limpe, ou seja se foram eles que provocaram a crise, eles que a paguem e deixem os trabalhadores e os reformados em paz ou então que peçam aos grandes capitalistas e aqueles que tem bons ordenados, que são quem ainda tem dinheiro para continuar a viver sem passar fome.
Se permitirmos que nos tirem direitos hoje, nunca mais serão conquistados, se não lutarem por voces ao menos lutem pelo futuro dos vossos filhos.
uma greve não implica ir para a rua, mas sim NÃO ir trabalhar, por isso se a greve teve adesão de 85% quer dizer que so' 15% de trabalhadores e' que concordam com as politicas deste governo,que ja' se devia ter demitido 'a muito tempo.
Viva a greve geral.